POESIAS

Creio no mundo como num malmequer,

Porque o vejo. Mas não penso nele.

Porque pensar é não compreender...

O mundo não se fez para pensarmos nele

(Pensar é estar doente dos olhos)

Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...

Então eu não tenho filosofia; tenho sentidos...

Se falo na Natureza não é porque eu saiba o que ela é,

Mas porque a amo, e amo - a por isso

Porque quem ama nunca sabe o que ama

nem sabe por que ama, nem sabe o que é amar...

Fernando Pessoa

papel5.jpg

Meu Amor...

Tal como o rio procura o mar sozinho

Também eu caminho entre a solidão

Para te sentir entre as minhas emoções

Que vivem a liberdade de nunca te esquecerem

Meu Amor...

Sou prisioneiro desta liberdade de te amar

Quanto mais te anseio mais te sinto perto de mim

E teu sorriso tão lindo que abraça a minha alma e a faz tão feliz

Meu Amor...

 

 

papel5.jpg

SOBRE O AUTOR

 

Juan Crisóstomo Ruiz de Nervo nasceu em 27 de agosto de 1870, em Tepic, no México. Poeta e diplomata, considerado o maior poeta mexicano do final do século XIX e meados do século XX, caracteriza-se por um profundo sentimento religioso e formas simples, pela busca do autoconhecimento, a autocompreensão e a paz interior em um mundo incerto e confuso.

ENCHE-O DE AMOR

               Amado Nervo, in “Plenitud”

"Sempre que haja um vazio na tua vida,
enche-o de Amor.
Adolescente, jovem, velho:
Sempre que haja um vazio na tua vida,
Enche-o de Amor.
E quando saibas
que tens diante de ti
um tempo vago,
vai buscar o Amor.
Não penses: sofrerei.
Não penses: vão enganar-me.
Não penses: duvidarei.
Vai simplesmente, diafanamente,
Regozijando, em busca do Amor.
Que espécie de Amor?
Não importa.
Todo o amor está cheio de excelência, e de nobreza.
Ama como puderes,
Ama a quem puderes, tudo o que puderes...
Mas ama sempre.
Não te preocupes com a finalidade do teu amor.
Ele tem em si mesmo a sua finalidade.
Não te julgues incompleto
Porque não correspondem à tua ternura:
O amor tem em si mesmo a sua própria plenitude.
Sempre que haja um vazio na tua vida,
Enche-o de AMOR."

 2020 por Rose Zerbinato